Sobre Sobre

Notícias

Fique por dentro das notícias, dicas e informações médicas
de Umuarama e Região.

Laser e radiofrequência corrigem a atrofia vaginal

Postado em 18/Fev/2019

Problema é causado por deficiência de estrógeno e também pode ser tratado com cremes e ácido hialurônico

 

O corpo humano envelhece, naturalmente. E da mesma forma que em outras partes do corpo, ocorrem mudanças na vagina, especialmente após a menopausa ou à retirada dos ovários por tumores ou tratamentos de câncer – de mama ou de útero. É a chamada atrofia vaginal.

 

Conforme informa a ginecologista Ana Kato, a atrofia vaginal, também conhecida como vaginite atrófica, consiste em um afinamento das paredes da vagina e uma diminuição da sua lubrificação, o que provoca ressecamento e inflamação vaginais. “São problemas e desconfortos que comprometem o desfrutar do sexo e a saúde da mulher como um todo”, comenta.

 

Ela acrescenta que a atrofia vaginal é causada pela deficiência do estrógeno – que leva à perda da lubrificação e da elasticidade da mucosa vaginal, causando dores nas relações sexuais. “É um problema que pode ser tratado com cremes à base desse hormônio ou com ácido hialurônico intravaginal. Na impossibilidade de usar hormônios ou simplesmente melhorar a atrofia e suas consequências, podemos dispor do laser intravaginal ou radiofrequência fracionada”, explica.

 

Segundo Drª Ana, o procedimento a laser recupera a elasticidade, a espessura e a umidade da vagina ao estimular a produção de colágeno. “O laser pode ser uma opção para quem tem contraindicação aos cremes hormonais por histórico de câncer de mama, por exemplo”, observa.

 

O tratamento por laser ou radiofrequência fracionada é indicado para a síndrome urogenital (incontinência urinária), atrofia vaginal ou ressecamento vaginal, dispareunia (dor na relação sexual) e flacidez. “O desconforto após o procedimento é mínimo – de três a cinco horas de discreta dor – e as relações devem ser suspensas por sete dias. São indicadas aplicações a cada 30/60 dias, três vezes no ano. Também indicamos repetir o procedimento anualmente”, finaliza.

 

.

 

Dra. Ana Maria Angelucci Kato 

CRM: 10682

Ginecologia e Obstetrícia 

RQE: 12346

 

Deixar comentário